Em momentos de crise é preciso procurar alternativas para que as empresas saiam do vermelho e resolvam seus problemas com os credores. E entre as diversas medidas que os gestores podem tomar, está a renegociação de dívidas. 

No entanto, muitos donos e administradores não sabem muito bem como fazer essa renegociação e acabam não dando esse importante passo para o sucesso da empresa.

Pensando nisso, reunimos neste artigo algumas dicas para te ajudar a procurar seus credores com mais confiança e segurança. Confira e bons negócios!

Como a crise do coronavírus afetou a adimplência das empresas?

A crise econômica provocada pela pandemia do coronavírus pegou todas as empresas de surpresa. Grandes ou pequenos, todos os negócios foram impactados de alguma maneira. 

Apesar de uma série de iniciativas adotadas pelo Governo e pelas instituições financeiras com o objetivo de ajudar micro e pequenas empresas a passar pelo período de turbulência, muitos negócios não conseguiram honrar com seus compromissos. 

Como consequência disso, essas empresas se encontram em uma situação delicada e precisam renegociar suas dívidas se quiserem manter suas portas abertas. 

Vale a pena renegociar dívidas da empresa?

Se você tem dúvidas sobre se vale a pena ou não renegociar as dívidas da sua empresa, saiba que a resposta a essa pergunta é “sim”, e quanto antes você fizer essa renegociação melhor. Isso porque as chances do endividamento, com o tempo, virar uma bola de neve, que não para de crescer, é grande.

Para evitar que isso aconteça, a melhor opção é procurar seus credores e propor a renegociação das dívidas. O que traz os seguintes benefícios:  

  • juros menores
  • descontos em juros e multas
  • a dívida para de crescer
  • parcelamento do débito
  • ganhar tempo para reorganizar as finanças.

Como renegociar dívidas com bancos?

Se você tem dívidas com o banco, o primeiro passo é procurar o gerente da sua conta e avaliar as possibilidades de linhas de crédito com taxas de juros menores. Vale também negociar a redução das tarifas da conta e procurar estender o prazo de parcelamento de alguns valores em aberto.

Outro detalhe importante: fique de olho nas campanhas de acordo que a maioria das instituições financeiras promovem de tempos em tempos. Nesses eventos, os descontos costumam ser bem generosos.

Como renegociar dívidas com fornecedores?

Na hora da renegociação de dívidas com seus fornecedores, mostre sua intenção de continuar mantendo uma boa relação com eles, sendo bem flexível.

Para ser bem-sucedido nesse tipo de negociação, você deve ter como objetivo diminuir os custos com a aquisição de matéria-prima, bem como garantir suporte operacional.

E para ter mais poder de fogo, procure pesquisar os preços e prazos praticados pelas empresas concorrentes que poderiam fornecer os mesmos produtos e/ou serviços que seus atuais fornecedores oferecem.

Como renegociar dívidas com o Governo?

Se sua empresa tem dívidas com o Governo municipal, estadual ou federal, você também pode fazer a renegociação de dívidas. Procure os órgãos responsáveis e se informe sobre as medidas implantadas pelo Poder Público para ajudar as empresas que têm problemas com tributos e impostos neste momento.

Vale também procurar o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) da sua cidade e se informar sobre o assunto. 

Como renegociar dívidas com os funcionários?

A renegociação de dívidas com os funcionários pode ser um pouco mais complicada, mas não é impossível. Seja honesto com sua equipe, mostre as dificuldades pelas quais a empresa está passando e mantenha o diálogo aberto.

No mais, se informe sobre a Medida Provisória nº 1.045/21, que autoriza a redução da jornada de trabalho e dos salários, bem como a suspensão dos contratos de trabalho no período de pandemia. Essa pode ser uma ótima solução para a sua empresa neste momento tão difícil para os negócios.

Nosso conteúdo foi útil para você? Esperamos que sim! Que tal, agora, ajudar outros donos de negócios que precisam saber mais sobre a renegociação de dívidas para empresas? Basta compartilhar o link deste artigo nas suas redes sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *